Gramática pra quê?

Olá, pessoas!

Hoje vamos falar um “poquim” um sobre BUCADO de coisa. Falaremos sobre Variedade linguística, sobre língua culta e coloquialidade, sobre liberdade poética e sobre o pra quê estudarmos gramática.

Milhões de vezes eu já ouvi: “Eu não sei português! Eu sou péssimo em português!”.

Ora, é claro que você sabe português, afinal você o utiliza para se comunicar. Se você está aqui lendo esse texto, sabe português muito bem!

Deu pra entender o texto da praca ? Você vai dizer, então, que quem escreveu não sabe português?

A questão é que não há apenas um português, aqui mesmo no Brasil.

A língua pode variar de acordo com o tempo, o espaço geográfico, a classe social e pode variar de uma situação comunicativa para outra. Nao existe Uma Língua Portuguesa, existem várias “línguas portuguesas”.

Acontece que uma dessas variedades é mais valorizada que as outras. Disso, dessa “hierarquia” entre as variedades (estabecida por algumas pessoas, arbitrariamente) nasce o tal do preconceito linguístico. O carioca acha que seu falar é melhor que o do paulista, o paulista acha que seu falar é melhor que o do carioca e todos acham que falam melhor que os nordestinos. Aqui mesmo, no Nordeste, uns falam os que acham melhor que outros. O que mais idosos julgam melhor os jovens que falam mais, os moradores das capitais acham que falam melhor que os do interior e os das classes sociais mais altas julgam que falam melhor que os falantes das classes mais baixas.

Mas não existe uma Variedade melhor que a outra! Veja o que dizem Yonne Leite e Dinah Callou sobre isso:

“É que Através da linguagem Uma Sociedade se comunica e retrata o conhecimento e entendimento de Si própria e do mundo que a cerca. É na linguagem que se refletem uma diferenciação de identificação ea también cada comunidade e uma inserção do indivíduo em diferentes agrupamentos, estratos sociais, faixas etárias, gêneros, graus de escolaridade. Tem um fala, assim, um caráter emblemático, que indica se o falante é brasileiro ou português, francês ou italiano, Holandês ou alemão, ou americano e tradução ainda, mais, sendo brasileiro, se é nordestino, sulista ou carioca. bue pistas A linguagem permitem também dizer que se o locutor é homem ou mulher, se é jovem ou idoso, se tem o curso primário ou universitário ou se é iletrado. E, por ser um Permite que Parâmetro Classificar o indivíduo de acordo com sua naturalidade e nacionalidade, sua condição econômica e social ou seu grau de instrução, é Frequentemente usada para discriminar e estigmatizar o falante. ”

De uma perspectiva lingüística Estritamente, não se justificam julgamentos de valor, uma vez que a faculdade da linguagem é inata e comum a toda a Espécie Humana. Assim, para o lingüista, todo homem é igual não só Perante a lei, mas também sua frente um Capacidade lingüística “.

Mas, professor, se não melhor Há um outro que o falar, se não há uma Variedade melhor que a outra, se eu sei português, pra quê estudar gramática? – Você pode estar se perguntando.

Diante da Variedade, unificado é importante que haja um resgistro formal! AE Maioria de nós, em algum momento seremos exigidos a nos expressar Através da norma culta, aquela que segue como Gramaticais regras. Numa entrevista de emprego, numa prova de concurso, numa redação para o vestibular, ao escrever para um jornal, uma revista, para preparar um emprego sem material, ao fazer um trabalho na faculdade … Na verdade, em muitas situações o uso da norma culta pode nos ser exigido. É o tal do contexto discursivo. Dependendo do contexto, iremos usar uma variante coloquial ou uma culta. É bom conhecer ambas, não é? Por isso estudamos gramática conhecer, mas como regras gramáticas não melhor que nos faz Aqueles que não conhecem, nos faz mais bem preparados.

Ei, vocês conhecem Tim Maia? Eu adoro. Tim Maia é ótimo para animar o dia, uma festa! Uma voz espetacular e uma animação contagiante!

Repararam na letra? Ele utiliza uma norma um padrão ou coloquial? Você percebeu algum “erro de português”? Eu percebi alguns, mas isso incomoda? Isso é relevante? Isso atrapalha a música?

“Não, professor, nao atrapalha. Mas ele é um artista, Deveria usar a norma padrão!”

Bem, os artistas têm Licença poética. “Licença poética é uma permissão dada ao escritor para extrapolar a norma culta, deixando de lado regras gramaticais como regências e concordâncias. Muitas vezes eles fazem isso para tornar o texto mais naturais, mais agradável ou para atingir algum objetivo estético. Infelizmente, você não pode fazer isso numa prova!

Então, atenção às aulas de gramática!

Steller de Paula

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s